86% dos internautas brasileiros são crianças e adolescentes
Fale conosco (86) 99495-8096

86% dos internautas brasileiros são crianças e adolescentes

Os usuários têm entre 9 e 17 anos, segundo pesquisa sobre o uso da internet no Brasil



O celular é o dispositivo mais usado por crianças e adolescentes na internet

Olhos atentos à tela, dedos rápidos ao teclar, fones de ouvido como acompanhamento. Essa descrição provavelmente te fez lembrar do seu filho, do seu irmão ou sobrinhos. A TIC Kids Online Brasil, relevou que essa turma muito nova faz parte dos 24,3 milhões dos internautas no Brasil. Realizada desde 2012, a pesquisa verifica riscos e oportunidades da participação online da população brasileira na faixa etária entre 9 e 17 anos.

Além das crianças e adolescentes, os pesquisadores ouviram pais e responsáveis com o objetivo de investigar dimensões de acesso, uso e apropriação de tecnologias de informação e comunicação, tais como perfil de consumo, atividades realizadas, habilidades, redes sociais mais usadas, mediação para o uso da internet e segurança de navegação.


Oportunidades

Entre os interesses e atividades realizadas, 83% estavam relacionadas ao entretenimento, 73% voltadas para a educação, 68% ligadas a comunicação e relacionamento através das redes sociais e 59% referentes a recursos multimídia. Dados que não necessariamente surpreendem, mas indicam que tipo de linguagem e conteúdo que podem ser explorados em boas estratégias de comunicação digital, por exemplo.


Riscos

Um ambiente tão  vasto em possibilidades também apresenta perigos. Alguns dados relevam a exposição de crianças e adolescentes a conteúdos inapropriados, como cenas de violência e sexo, além de perceberem situações discriminatórias e de abuso sexual.

Na faixa etária dos 11 aos 17 anos, 27% das meninas e 17% dos meninos assistiram a cenas de violência com muito sangue. No que se refere a sexo, 18% dos meninos e 12% das meninas viram alguma imagem ou vídeo com esse conteúdo; 20% dos meninos disse ter recebido esse material por mensagem. E 13% das meninas, contra 8% dos meninos receberam pedidos de fotos em que estariam nus.

A pesquisa aponta também que 61% dos menores testemunham discriminação na Internet mais de uma vez por dia.


Educação Digital: o caminho para solução

Educar é, sem precedentes, o meio mais eficaz para prevenção dos riscos a que nossas crianças e adolescente estão expostos na internet e potencializar as oportunidades de acesso para o seu desenvolvimento.

Esse caminho envolve tarefas importantes, tais como:

1. Conhecer bem os recursos que utiliza;

2. Ter cautela quanto ao uso dos seus dados;

3. Respeitar o espaço do outro;

4. Ficar atento às informações que recebe;

5. Investigar antes de compartilhar;

6. Pensar que o que você faz na internet vai afetar a vida das outras pessoas, também.

No entanto, a TIC Kids Online revela também que 77% da população de 15 a 17 anos acredita saber mais sobre a Internet do que seus pais ou responsáveis - 67% para aqueles de 13 a 14 anos e 52% de 11 a 12 anos. Diante disso, a educação digital encontra desafios dentro de casa. Restam, portanto, os esforços da escola, Governo e outras organizações para essa tarefa.



Crianças aprendem jogando sobre segurança na internet

Inovação 

Uma iniciativa recente lançada pela Google foi o projeto Be Internet Awesome (em português, Seja Incrível na Internet) que criou uma plataforma virtual chamada INTERLAND, um jogo que contém instruções sobre uso responsável e seguro da internet em quatro ambientes:

1. O reino da bondade – que incentiva o respeito ao outro;

2. Rio da realidade – trata dos perigos na internet;

3. Montanha da consciência – que estimula a investigação das informações;

4. Torre do tesouro – que aborda sobre a proteção de dados.

Em cada ambiente o jogador responderá a perguntas relacionadas a uma navegação segura. Basta abrir a página inicial do Google hoje pode conferir a novidade.


Dê sua opinião:


Veja também:

Projeto Mulheres de Visão participará do RECONECTA 2020

Projeto Mulheres de Visão participará do RECONECTA 2020

Fact checking é tendência profissional para 2021

Fact checking é tendência profissional para 2021

Mulheres são vítimas de deepfake pornográficas

Mulheres são vítimas de deepfake pornográficas